Entre os diferentes dispositivos elétricos de uma casa, as tomadas são alguns dos mais essenciais, não é mesmo? Afinal, elas fazem a ligação do sistema elétrico interno da casa com o externo, possibilitando a utilização de dispositivos por seus moradores, como TVs, computadores, celulares e diversos outros. 

Ou seja, sem eles, é impossível viver conectado! Porém, o sistema elétrico tem suas peculiaridades em cada país e, até mesmo, em cada região. Sabendo disso, nossa equipe reuniu as informações mais importantes que você precisa saber sobre essas tomadas, para que você possa utilizá-las em segurança 😉 Vamos lá?

Por que existem tantos modelos?

Para início de conversa, é importante entendermos o contexto das suas diferenças. Se você já viajou para fora do Brasil, já deve ter comprado algum adaptador para conseguir usar seus eletrônicos com tranquilidade no país, não é?

Essa é uma consequência de uma decisão antiga: a partir do final do século 19, os países começaram a criar plugues próprios para suas tomadas, com voltagens diferentes. Naquela época, essa escolha não era vista como um problema, já que as exportações de produtos elétricos eram baixas. 

Porém, com o aumento do fluxo de exportações, essas diferenças começaram a se tornar um empecilho. A IEC, Comissão Eletrotécnica Internacional, até tentou chegar a um modelo universal, mas poucos países aderiram à ideia — e nós fomos um deles! 

Sendo assim, hoje continuamos com diversas modelagens de tomadas ao redor do mundo, mas com adaptadores que ajudam a minimizar essas diferenças. E você, sabe quais são os tipos mais comuns?

Os 4 tipos mais comuns de tomadas elétricas

Tipo A e B

Esses dois modelos são muito utilizados na América do Norte, América Central, América do Sul e Japão. 

O tipo A, com dois dentes paralelos e planos, foi criado em 1904 e se tornou modelo padrão durante o início do século 20. No Brasil, o modelo já entrou em desuso, mas ainda é queridinho dos EUA.

O tipo B, que traz um pino terra redondo, é muito utilizado para computadores. Esse pino extra, que muitas vezes acaba sendo removido pelos seus compradores, tem grande importância para manter os eletrônicos longe de acidentes, já que leva energia excedente para o solo, minimizando as chances de descargas elétricas e fugas de tensão, por exemplo.

Tipo C

Esse é um dos modelos mais comuns ao redor do mundo, podendo ser encontrado em quase todos os países da Europa e já tendo sido um dos modelos utilizados pelo Brasil. O plugue tipo C possui dois pinos redondos e se encaixa em diversas tomadas, inclusive nos modelos brasileiros de tomadas de três pinos — o tipo N.

Tipo N

O tipo utilizado pelo Brasil e África do Sul é o famoso modelo “universal” que a IEC tentou estabelecer anos atrás. O Brasil foi um dos adeptos do modelo, já que somente dentro do território brasileiro eram utilizados mais de 10 modelos diferentes de plugues. 

Porém, com a padronização, a identificação da voltagem se tornou ainda mais difícil, já que não temos um padrão entre 110 e 220V no país, algo que poderia ser facilmente identificado por tipos de plugues diferentes.

Entenda mais sobre as voltagens

Mesmo tendo adaptadores, em caso de viagens, por exemplo, é essencial ter atenção às voltagens das tomadas, já que elas podem variar de 100 a 240 volts, dependendo do país. A boa notícia é que a maioria dos celulares, tablets e e-readers já possuem carregadores que aceitam múltiplas voltagens, o que facilita a segurança dos aparelhos.

Porém, se você não sabe se o carregador do seu aparelho tem essa especificação, é melhor conferir nas especificações ou, até mesmo, comprar um transformador, ok? Um aparelho de voltagem alta plugado em uma tomada de baixa voltagem não irá performar com sua potência total e, no caso contrário, de um aparelho de baixa voltagem plugado em uma tomada de alta voltagem, as chances de queimar são altas! 

Uma dica interessante para testar uma tomada é ligar um abajur com uma lâmpada de 220 volts. Se a luz estiver fraca, isso quer dizer que sua tomada é 110V; se a luz estiver forte, ela é 220V. Prático, não é? 😉

Dicas e cuidados

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a história das tomadas elétricas, seus tipos e voltagens, é hora de colocar em prática com nossas dicas de manutenção e instalação! 

  • Evite sobrecarregar suas fontes de energia com benjamins ou extensões. Eles podem causar superaquecimento do ponto e levar a acidentes, como choques e queima de aparelhos. Lembre-se: toda tomada tem uma carga máxima;
  • Nunca utilize dois benjamins ou mais juntos! O risco é ainda maior;
  • Se você tem crianças em casa e quer garantir mais segurança, use protetores de tomadas para evitar acidentes;
  • Garanta que sua cozinha tenha vários pontos de energia, já que esse é o cômodo com maior quantidade de dispositivos elétricos da casa;
  • Se seu ambiente possui até 4m², uma tomada já pode ser o suficiente. Se for maior, talvez seja necessário instalar outras;
  • Tome muito cuidado com fios desencapados;
  • Ao fazer reparos, não se esqueça de desligar a chave de energia!

Gostou das dicas? Agora é só aproveitar para escolher as tomadas ideais para a sua casa! E se quiser conhecer outras dicas sobre assuntos como esse, é só ficar de olho no blog da UmHelp 🙂 

Author

Sou fascinada pelo universo da decoração e organização da casa - as duas andam juntinhas. Adoro um bom papo com café no fim da tarde e como boa mineira não dispenso um pão de queijo. Amo ver séries novas, principalmente as que são comédias ou sitcoms. Acompanho sempre a vogue e blogs de decoração.

Write A Comment